APOIO e DOAÇÕES

A Áfricanamente Escola de Capoeira Angola é uma organização totalmente autônoma e independente de órgãos governamentais, nossa missão é divulgar a filosofia da Capoeira Angola como um instrumento de educação e cidadania. Além das atividades desenvolvidas em nossa sede e no entorno, atualmente temos vários integrantes da nossa escola atuando como educadores sociais, compartilhando com crianças e adolescentes as ideias de união e coletividade.
Você pode ajudar a manter o nosso espaço e as nossas atividades sempre em movimento. Fazendo uma doação de qualquer valor na Conta poupança: 3.678.0 - Agência: 0428 da Caixa Econômica federal em nome de Mário Augusto da Rosa Dutra.
Além de nos ajudar você poderá ganhar lindos brindes, como camisetas, Cds, Dvds e Agendas.
Desde já agradecemos!

07 março 2007

RESUMO DO EVENTO ADÃO, ADÃO, CADÊ SALOMÉ ADÃO?

1º Dia - Segunda feira, 05/03/07
Em torno de 70 pessoas prestigiaram o primeiro dia do Encontro que teve como abertura um momento de limpeza espiritual do ambiente através de defumação realizada por três sacerdotizas (Temilayó, Ogun Pele e Dona Bia) do Ilê Axé Iyemonjá Omi Olodô.Em seguida as gurias que organizaram o evento, entraram cantando a música que deu nome ao encontro. Oloriobá da Escola de Capoeira Angola Áfricanamente, fez um pequeno histórico sobre o dia 08 de Março e explicou os objetivos e a necessidade de estarmos refletindo sobre as relações de gênero na capoeira.

Após foi exibido o filme: ACORDA RAIMUNDO, ACORDA!
Reginete Bispo, Débora Ávila, Maria Lopes e Oloriobá, foram as facilitadoras e provocadoras do debate que se seguiu a partir do filme, gerando ótimas oportunidades para homens e mulheres se perceberem como responsáveis neste processo de repensar e ressignificar nossas relações.
Uma bela roda de capoeira angola, com bastante axé, encerrou a noite deixando a certeza de que o evento, apesar de estar no primeiro dia, já era um sucesso, fruto da competência da comissão organizadora.


2º Dia - terça feira, 06/03/07
Circularam no evento neste dia, e nos subseqüentes, cerca de 40 pessoas, que tiveram o prazer de conectar-se com sua corporeidade a partir da oficina desenvolvida por Tais Fonseca, do Grupo de Capoeira Mocambo, que nos proporcionou um trabalho de consciência corporal usando elemento e movimentos da capoeira angola.
Após a oficina, outra bela roda de capoeira angola.



3º Dia - Quarta feira, 07/03/07.
Iniciamos a noite com uma sensibilização feminina proporcionada pela Alessandra Carvalho, do Coletivo Teresa de Benguela. Tivemos a oportunidade de nos conectarmos com o feminino de nosso “Ser” e “Viver” através de momentos de meditação e de dança cirular.


Este momento foi fundamental para a realização da oficina de produção textual e musical facilitada por Oloriobà, da Escola de Capoeira Angola do Áfricanamente. Nossa feminilidade ficou tão “a flor da pele” que a provocação feita por Oloriobà com a leitura e reflexão sobre algumas letras de canções de capoeira, de domínio público, travaram novos e importantes diálogos e discussões sobre as relações de gênero na capoeira e o papel da mulher nesse contexto.
Após esta intensa conversa e debate, sugeriu-se a produção de ladainhas e corridos com letras que pudessem provocar algum tipo de mudança social considerando a relevância, o sentido e o significado de tudo que havia sido expressado verbal e corporalmente.
Nos dividimos em duplas e trios para esta construção. Foi maravilhoso ver cada um e cada uma cantado e tocando, emocionados e emocionadas, com o que havia sido produzido.




4º Dia - Quinta feira, 08/03/07
Iniciamos a noite com a oficina da Inajara Ramos, da Escola de Capoeira Angola Áfricanamente, que após muita movimentação corporal, nos fez refletir sobre o que é mandinga e negaça. Além disso, conversamos sobre o processo libertador da capoeira e, num momento emocionante, algumas pessoas contaram um pouquinho sobre seus processos de empoderamento, de aumento da auto-imagem e auto-estima através da capoeira.
Após esta oficina, nossa tradicional roda de capoeira angola.



5º dia - Sexta feira, 09/03/07 ...finaleira
Já empoderadas e donas de si e do espaço, as mulheres coordenaram a roda de fechamento do evento. Era uma sintonia só, de modo que a constituição da bateria se manteve majoritariamente feminina até o final da noite. Muito canto, muita música, muita dança, muita movimentação corporal foi o que aconteceu na nossa roda de encerramento.
Corpos em celebração ao 8 de março, em reflexão e discussão através de muita capoeira angola.

Aos Grupos de Capoeira que se fizeram presente durante a semana do evento: Mocambo, Teresa de Benguela, Raízes do Sul, N’Zambi, Rabo de Arraia, Camboatá, Capoarte, Cativeiro, Zimba, Guaiamuns; aos namorados/as, amigos/as e simpatizantes desta bela arte, o nosso muito obrigado.

Até o ano que vem...